quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A história de Jacques (ou seria Jason?)

Clique na imagem para lê-la em tamanho real.

domingo, 13 de setembro de 2009

Quando a paciência acaba

Dizem que aconteceu no Pará, em Abaetetuba. Na cidade havia um senhor cujo apelido era Cabeçudo, parece que o primeiro nome dele era Anderson. Nascera com uma cabeça grande, dessas cuja boina dá pra botar dentro, fácil, fácil, uma dúzia de laranjas. Mas fora isso, era um cara pacato, bonachão e paciente. Não gostava, é claro, de ser chamado de Cabeçudo, mas desde os tempos do grupo escolar, tinha um chato que não perdoava. Onde quer que o encontrasse, lhe dava um tapa na cabeça e perguntava:

- Tudo bom, Cabeçudo?

O Cabeçudo, já com seus quarenta e poucos anos, e o cara sempre zombando dele. Um dia, depois do milésimo tapão na sua cabeça, o Cabeçudo meteu a faca no zombeteiro e matou-o na hora.

A família da vítima era rica, a do Cabeçudo, pobre. Não houve jeito de encontrar um advogado para defendê-lo, pois o crime tinha muitas testemunhas. Depois de apelarem para advogados de Belém, São Paulo e do Rio, sem sucesso algum, resolveram procurar um tal de Zé Caneado, advogado que há muito tempo deixara a profissão, pois, como o próprio apelido indicava, vivia de porre. Pois não é que o Zé Caneado aceitou o caso? Passou a semana anterior ao julgamento sem botar uma gota de cachaça na boca!

Na hora de defender o Cabeçudo, ele começou a sua peroração assim:

- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.

Quando todo mundo pensou que ele ia continuar a defesa, ele repetiu:

- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.

Repetiu a frase mais uma vez e foi advertido pelo juiz:

- Peço ao advogado que, por favor, inicie a defesa.

Zé Caneado, porém, fingiu que não ouviu e:

- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.

E o promotor:

- A defesa está tentando ridicularizar esta corte!

O juiz:

- Advirto ao advogado de defesa que se não apresentar imediatamente os seus argumentos...

Foi cortado por Zé Caneado, que repetiu:

- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.

O juiz não agüentou:

- Seu moleque safado, seu bêbado irresponsável, está pensando que a justiça é motivo de zombaria? Ponha-se daqui para fora antes que eu mande prendê-lo.

Foi então que o Zé Caneado disse:

-Senhoras e Senhores jurados, esta Côrte chegou ao ponto em que eu queria chegar. Vejam que se apenas por repetir algumas vezes que o juiz é meritíssimo, que o promotor é honrado e que os membros do júri são dignos, todos perdem a paciência, consideram-se ofendidos e me ameaçam de prisão, pensem então na situação deste pobre homem, que durante quarenta anos, todos os dias da sua vida, foi chamado de Cabeçudo!

Cabeçudo foi absolvido e o Zé voltou a tomar suas cachaças em Paz.

MORAL DA HISTÓRIA: Mais vale um bêbado inteligente que um alcoólatra anônimo.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

terça-feira, 23 de junho de 2009

Pensão alimentícia

A filha completa 21 anos e o pai está todo feliz em emitir o último cheque
da pensão alimentícia que paga à ex-mulher, pois pagava há 20 anos. Pede a filha que ela retorne para lhe contar como ficou a cara da mãe ao dizer-lhe que é o último cheque que ela verá da parte dele. A filha entrega o cheque à mãe e volta ao pai para dar a resposta.

- Diga filha, qual foi a reação dela?

- Ela mandou dizer que você não é o meu pai.

Quando um advogado deve usar brinco

Um dia, no fórum, um advogado reparou um colega muito conservador, usando um brinco.

- Eu não sabia que gostava desse tipo de coisa - comentou.

- Não é nada de especial, é só um brinco - replicou o colega.

- Há quanto tempo você usa?

- Desde que a minha mulher o encontrou no carro, semana passada.

A viagem

O juiz disse a secretária:

- Vamos passar a semana que vem toda em uma comarca do interior, faça os preparativos da viagem!

A secretária liga para o marido:

- Vou viajar para o interior com o juiz por uma semana. Te cuida.

O marido liga para a amante:

- Minha mulher vai ficar fora por uma semana, então nós vamos passar a semana juntos, meu amor!

A amante liga para o garoto a quem ela dá aulas de reforço:

- Tenho muito trabalho na próxima semana e não precisa vir às aulas.

O menino liga para o avô:

- Vô, na próxima semana não tenho aulas, a minha professora estará ocupada. Vamos passar a semana juntos?

O avô (que é o juiz) liga para a secretária:

- Vou passar a próxima semana com o meu neto, adiamos a ida para o interior. Cancele a viagem.

A secretária liga para o marido:

- O juiz não vai mais para o interior na próxima semana, a viagem foi cancelada...

O marido liga para a amante:

- Não vamos mais passar a próxima semana juntos, a viagem da minha esposa foi cancelada.

A amante liga para o aluno das aulas de reforço:

- Pode vir, que esta semana vamos ter aula normalmente.

O menino liga para o avô:

- Vô, a minha professora disse que esta semana terei aula. Me desculpe, mas não vai dar para ficarmos juntos.

O avô liga para a sua secretária:

- Remarque para a semana que vem a viagem ao interior.

MORAL DA HISTÓRIA: Criança só sabe atrapalhar!

Absolvição II

No meio do julgamento, o juiz pergunta:

- O senhor chegou em casa mais cedo e encontrou a sua mulher na cama com outro homem, certo?

- Certo, meritíssimo - diz o réu de cabeça baixa.

O juiz continua:

- Então o senhor pegou a arma e deu um tiro na sua mulher, matando-a na hora, certo?

- Certo, meritíssimo - repete o réu.

- E por que o senhor atirou nela e não no amante dela?

O réu responde:

- Senhor juiz.... me pareceu mais sensato matar uma mulher uma única vez, do que um homem diferente todos os dias.

O réu foi absolvido na hora.

Advogados sabem a hora de não mentir

O advogado saiu do escritório, com uma tempestade caindo, e encontrou a jovem secretária no ponto de ônibus. Ele parou o carro e perguntou:

- Você quer uma carona?

- Claro - ela respondeu, entrando no carro.

Chegando na casa dela, ele estacionou o carro perto da porta para que ela saísse. E ela o convidou para entrar.

- Não quer tomar um cafezinho, um whisky, ou alguma coisa?

- Não, obrigado, tenho que ir para casa.

- Imagine, o Sr. foi tão gentil comigo, entre, por favor, só um pouquinho.

Ele entrou, atendendo ao pedido da moça. Ao chegarem na sala, ele tomava seu drink enquanto ela foi até o quarto e voltou toda gostosa e perfumada. Depois de alguns copos, quem aguentaria? Ele não aguentou. Transou com a secretária e acabou dormindo. Por volta das 2 da manhã, acordou, olhou no relógio e levou o maior susto. Aí, pensou um pouco e perguntou à secretária:

- Você, por um acaso, não teria um pedaço de giz para me emprestar?

Ela disse que tinha, sim. Ele pegou o giz, colocou atrás da orelha e foi para casa. Lá chegando, encontrou a mulher louca de raiva e ele foi logo se desculpando:

- Querida, quando saí do trabalho dei uma carona pra secretária. Depois chegarmos na casa dela, ela me convidou para entra e ofereceu um drink; em seguida, ela foi para o quarto e voltou muito sedutora usando uma camisola transparente, e após alguns copos, acabamos indo para a cama e fizemos amor. Aí dormi e acordei agora há pouco...

A mulher deu um berro e falou:

- Seu mentiroso sem vergonha, estava no bar jogando sinuca com os seus amigos. Nem sabe mentir, até esqueceu de tirar o giz de trás da orelha...

Absolvição

Um avião sofre uma avaria e o piloto é obrigado a fazer uma aterrizagem de emergência e, graças a sua habilidade, consegue pousar em segurança no meio de uma avenida. Passado o pânico, os passageiros batem palmas e começam a sair do avião. Tudo parecia resolvido quando um táxi desgovernado bate no avião. O taxista vai preso e depois à julgamento. No tribunal o juiz pergunda:

- Bonito, hein? O piloto evita uma catástrofe e o senhor consegue bater no avião parado? Como é que o senhor não viu um jato daquele tamanho no meio da rua?

- Doutor, deixe-me explicar. Eu peguei um casalzinho no shopping, eles entraram no táxi e começaram na maior esfregação. Mas eu estava com 100% da minha atenção no trânsito.

- Continue...

- Daí, ele tirou a blusa dela e começou a mordiscar os seios da moça e eu vendo tudo pelo retrovisor, mas com 90% de atenção no trânsito.

- Continue...

- Depois, ele enfiou a mão nas pernas da moça e tirou a calcinha dela e eu com 80% de atenção no trânsito.

- E...

- Ela abriu o zíper da calça dele e abaixou a cabeça, subindo e descendo bem rápido, daí a minha atenção no trânsito passou para 50%!

- Certo. E então?

- Naquele pega-daqui e morde-dali, ela tirou o negócio do cara da boca, apontou em minha direção enquanto o rapaz gritava:

- OLHA O JATO! OLHA O JATO!

- Eu abaixei a cabeça na hora e nem vi avião algum... Senhor juiz, como ia eu saber que ele estava falando da porra do jato e não do jato de porra?!

O juiz absolveu o taxista.

Presente de Advogado

- Alô, é da Polícia?

- Sim, em que posso ajudá-lo?

- Queria fazer uma denúncia anônima. O meu vizinho esconde drogas dentro de um tronco de árvore no quintal.

- Está anotado. Muito obrigado por nos avisar.

No dia seguinte os agentes da Polícia estavam em casa do vizinho. Foram direto na árvore do quintal e usando machados abriram ela ao meio. Como não encontraram nada, foram cortando mais e mais até não sobrar nada. Mesmo assim não encontraram droga nenhuma. Xingaram e foram embora. Logo em seguida, toca o telefone na casa do vizinho.

- Alô, Carlos? Os policiais já estiveram aí?

- Já.

- E cortaram aquela árvore velha que você ia usar como lenha?

- Sim.

- Feliz Aniversário, amigo! Lembre-se que esse foi o presente do seu advogado!

Nem sempre é bom falar a verdade

O advogado dativo chega na cadeia para defender o rapaz que está todo arrebentado. Pergunta ao cliente o que aconteceu e este explica:

-Eu estava atravessando a rua quando vi uma rodinha de gente na esquina. Eles socorriam uma prostituta que tinha acabado de dar à luz na calçada. Resolvi ajudar e fui à farmácia comprar um pacote de fraldas de presente. Quando eu estava saindo da farmácia, um policial do GATE, de 2 metros de altura e largura, vendo o pacote de fraldas nas minhas mãos, perguntou:

- Para onde vai isso?

Eu respondi:

- Vai pra puta que pariu...

... não me lembro de mais nada depois disso...

domingo, 24 de maio de 2009

Feliz Natal

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Nove Silogismos

Silogismo 1

Deus ajuda quem cedo madruga.
Quem cedo madruga, dorme à tarde.
Quem dorme à tarde, não dorme à noite.
Quem não dorme à noite, sai na balada.
Deus ajuda quem sai na balada!

Silogismo 2

Deus é amor.
O amor é cego.
Steve Wonder é cego.
Logo, Steve Wonder é Deus.

Silogismo 3

Disseram-me que eu sou ninguém.
Ninguém é perfeito.
Logo, eu sou perfeito.
Mas só Deus é perfeito.
Portanto, eu sou Deus.
Se Steve Wonder é Deus, eu sou Steve Wonder!!!!
Meu Deus, eu sou cego!!!

Silogismo 4

Toda regra tem exceção.
Isto é uma regra.
Logo, deveria ter exceção.
Portanto, nem toda regra tem exceção.

Silogismo 5

Quando bebemos, ficamos bêbados.
Quando estamos bêbados, dormimos.
Quando dormimos, não cometemos pecados.
Quando não cometemos pecados, vamos para o Céu.
Então, vamos beber para ir pro Céu!

Silogismo 6

Penso, logo existo.
Loiras burras não pensam, logo, loiras burras não existem.
Meu amigo diz que não é viado porque namora uma loira inteligente.
Se uma loira inteligente namorasse meu amigo ela seria burra.
Como loiras burras não existem, meu amigo não namora ninguém.
Logo, meu amigo é viado mesmo.

Silogismo 7

Hoje em dia, os trabalhadores não têm tempo pra nada.
Já os vagabundos… têm todo o tempo do mundo.
Tempo é dinheiro.
Logo, os vagabundos têm mais dinheiro do que os trabalhadores.

Silogismo 8

Imagine um pedaço de queijo suíço, daqueles bem cheios de buracos.
Quanto mais queijo, mais buracos.
Cada buraco ocupa o lugar em que haveria queijo.
Assim, quanto mais buracos, menos queijo.
Quanto mais queijos mais buracos, e quanto mais buracos, menos queijo
Conclusão: quanto mais queijo, menos queijo.

Silogismo 9

Existem biscoitos feitos de água e sal.
O mar é feito de água e sal.
Conclusão: o mar é um biscoitão.

O advogado e o motorista de táxi

O advogado pega o táxi e pede para ele correr para o fórum. O motorista do táxi obedece, e depois de um tempo, diz:

- Olha só que mulher bonita! Nossa, ela é um avião!

E o advogado responde:

-Feia!

O motorista:

-Feia nada! Ela é gostosona prá caramba! Um tesão!

E o advogado, de novo:

-Feia!!

-Que feia o quê!!! Tá louco??? - retrucou o motorista.

E o advogado, agora aos berros:

-Feia! Feia! Feia!

O motorista, que não estava olhando para a frente, bate em outro carro. Fica louco da vida e exclama:

-Pô, cara! Você viu que eu ia bater, por que não me avisou?

E o advogado, histérico:

-Aralho!!! Eu ava alando há ua hora: feia, feia e ocê não feiô. É urdo, é…seu ilho da uta???

O advogado e o pastor de ovelhas

Um pastor de ovelhas cuidava do rebanho, quando surgiu pelo inóspito caminho uma Pajero 4x4 toda equipada. Parou na frente do velhinho e desceu um cara de não mais que 30 anos, terno preto, camisa branca Hugo Boss, gravata italiana, sapatos moderníssimos bicolores, e disse:

- Senhor, se eu adivinhar quantas ovelhas o senhor tem, o senhor me dá uma?

- Sim, respondeu o velhinho meio desconfiado.

Então o cara volta pra Pajero, pega um notebook, se conecta, via celular, à internet, baixa uma base de dados, entra no site da NASA, identifica a área do rebanho por satélite, calcula a média histórica do tamanho de uma ovelha daquela raça, baixa uma tabela do Excel com execução de macros personalizadas, e depois de três horas, diz ao velho:

- O senhor tem 1.324 ovelhas, e quatro podem estar grávidas.

O velhinho admitiu que sim, estava certo, e como havia prometido, poderia levar a ovelha. O cara pegou o bicho e carregou na sua Pajero. Quando estava saindo, o velho perguntou:

- Desculpe, mas se eu adivinhar sua profissão, o senhor me devolve a ovelha?

Duvidando que acertasse, o cara concorda.

- O senhor é advogado. - diz o velhinho.

- Incrível! Como adivinhou?

- Quatro razões: primeiro, pela frescura; segundo, veio sem que eu o chamasse; terceiro, me cobrou para dizer algo que já sei; e quarto, não entende merda nenhuma do que esta
falando: devolve já o meu cachorro!

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Palavreado jurídico

Eximir de qualquer tipo de sorte.
"Azarar"

Filho de uma inocente mãe que presta serviços sexuais a troco de dinheiro.
"Filho da puta"

O orifício rugado de um sujeito altamente alcoolizado não possui proprietário.
"Cu de bêbado não tem dono"

Colocar o prolongamento caudal em meio aos membros inferiores.
"Meter o rabo entre as pernas"

Creditar um primata.
"Pagar um mico"

Romper a fisionomia.
"Quebrar a cara"

Sequer considerar a utilização de um longo pedaço de madeira.
"Nem a pau"

Sequer considerar a possibilidade da fêmea bovina expirar fortes contrações laringo-bucais.
"Nem que vaca tussa"

Sequer considerando a utilização de instrumentos metálicos.
"Nem ferrando"

Derramar água pelo chão através do tombamento violento e premeditado de seu recipiente.
"Chutar o balde"

Retirar o filhote de equino da perturbação pluviométrica.
"Tirar o cavalinho da chuva"

Alongar as tíbias.
"Esticar as canelas"

A fêmea ruminante bovina deslocou-se para terreno sáfaro e alagadiço.
"A vaca foi pro brejo"

Colóquio soporífero para gado bovino repousar.
"História pra boi dormir"

Sugiro veementemente a Vossa Excelentíssima que procure receber contribuições inusitadas na cavidade retal.
"Vai tomar no cu"

Desejo veementemente que Vossa Senhoria performe fornicação na imagem de sua própria pessoa.
"Vá se fuder"

Creio que Vossa Senhoria apresenta comportamento galhofeiro perante a situação aqui exposta.
"Você tá de sacanagem"

Aplicar a contravenção do Senhor João, este deficiente físico desprovido de um dos membros superiores.
"Dar uma de João-sem-braço"

Impulsionar a extremidade do membro inferior contra a região glútea de outrem.
"Dar um pé na bunda"

Derrubar-se com intenções mortais.
"Cair matando"

Deglutir o batráquio.
"Engolir o sapo"

Derrubar com a extremidade do membro inferior o suporte sustentáculo de uma das unidades de acampamento.
"Chutar o pau da barraca"

Impulsionar bruscamente a extremidade do membro inferior contra a região glútea de alguém.
"Dar um pé-na-bunda de alguém"

Inflar o volume da bolsa escrotal.
"Encher o saco"

Prosopopéia flácida para acalentar bovinos.
"Conversa mole pra boi dormir"

domingo, 19 de abril de 2009

A arte de escrever de um advogado

DOUTORADO

O dissacarídeo de fórmula C12H22O11, obtido através da fervura e da evaporação de H2O do líquido resultante da prensagem do caule da gramínea Saccharus officinarum Linneu, 1758, isento de qualquer outro tipo de processamento suplementar que elimine suas impurezas, quando apresentado sob a forma geométrica de sólidos de reduzidas dimensões e arestas retilíneas, configurando pirâmides truncadas de base oblonga e pequena altura, uma vez submetido a um toque no órgão do paladar de quem se disponha a um teste organoléptico, impressiona favoravelmente as papilas gustativas, sugerindo impressão sensorial equivalente provocada pelo mesmo dissacarídeo em estado bruto, que ocorre no líquido nutritivo da alta viscosidade, produzindo nos órgãos especiais existentes na Apis mellifera, Linneu, 1758. No entanto, é possível comprovar experimentalmente que esse dissacarídeo, no estado físico-químico descrito e apresentado sob aquela forma geométrica, apresenta considerável resistência a modificar apreciavelmente suas dimensões quando submetido a tensões mecânicas de compressão ao longo do seu eixo em conseqüência da pequena capacidade de deformação que lhe é peculiar.

MESTRADO

A sacarose extraída da cana de açúcar, que ainda não tenha passado pelo processo de purificação e refino, apresentando-se sob a forma de pequenos sólidos tronco-piramidais de base retangular, impressiona agradavelmente o paladar, lembrando a sensação provocada pela mesma sacarose produzida pelas abelhas em um peculiar líquido espesso e nutritivo. Entretanto, não altera suas dimensões lineares ou suas proporções quando submetida a uma tensão axial em conseqüência da aplicação de compressões equivalentes e opostas.

GRADUAÇÃO

O açúcar, quando ainda não submetido à refinação e, apresentando-se em blocos sólidos de pequenas dimensões e forma tronco-piramidal, tem sabor deleitável da secreção alimentar das abelhas; todavia não muda suas proporções quando sujeito à compressão.

ENSINO MÉDIO

Açúcar não refinado, sob a forma de pequenos blocos, tem o sabor agradável do mel, porém não muda de forma quando pressionado.

ENSINO FUNDAMENTAL

Açúcar mascavo em tijolinhos tem o sabor adocicado, mas não é macio ou flexível.

SABEDORIA POPULAR

Rapadura é doce, mas não é mole, não!